Notícias

Eduardo Sirotsky Melzer: um apaixonado pela gestão de pessoas

Com o auditório da ADVB/RS lotado, o presidente-executivo do Grupo RBS falou sobre pessoas, cultura empresarial, capacidade de execução, liderança e legado.

“As fronteiras são geográficas e estão na cabeça de cada um. Nós não temos este limite, a nossa lógica é a do desenvolvimento”. Assim, o presidente-executivo Eduardo Sirotsky Melzer definiu a história de 56 anos do Grupo RBS nesta segunda-feira na segunda edição de 2013 do ciclo de palestras Você com o Presidente, da ADVB/RS. Diante de um público formado por muitos executivos e empreendedores, Duda, como é conhecido, abordou o tema “Compromisso com o Crescimento” e deu sua receita para o sucesso: foco nas pessoas e coragem para expandir os negócios.

As histórias de presidentes dos principais grupos brasileiros têm atraído grande público à sede da ADVB/RS. Criado no ano passado, o projeto Você com o Presidente já trouxe José Galló, da Lojas Renner; Francisco Valim, da Oi; Guiherme Paulus, da CVC; Ademar Schardong, do Sicredi; Clóvis Tramontina, da Tramontina; e Daniel Randon, da Fras-le. “É uma troca de ideias onde se consegue trazer grandes presidentes que não nasceram presidentes, mas que se tornaram presidentes. Eles contam histórias que normalmente a gente não conhece”, sintetizou o presidente da ADVB, Telmo Costa, que mediou o talk-show. O próximo encontro já está agendado para o dia 27 de maio, com o presidente da Stara, Gilson Trennepohl, que compartilhará suas experiências no comando da empresa com a maior linha de máquinas agrícolas do país.

Na presidência-executiva do Grupo RBS desde julho do ano passado, Eduardo Sirotsky Melzer revelou suas motivações diárias no trabalho como presidente: “Sou um apaixonado por pessoas, por estar perto de gente, de quem trabalha comigo. Adoro meu trabalho, minha família e adoro buscar minha felicidade, também fazendo com que outras pessoas conquistem suas felicidades”, confessou à plateia.

Para o jovem CEO, a liderança abrange duas dimensões: o domínio das competências em negócios e das competências em pessoas. Ele acredita que uma empresa só pode continuar crescendo se tiver pessoas apaixonadas trabalhando por ela. E o papel número um do líder, explicou, é identificar bem as pessoas e seus perfis, entender no que são boas e onde são boas: “iluminar suas trajetórias”. O controle de uma instituição, segundo Melzer, está justamente na escolha do time: “Uma empresa chega a lugares inimagináveis com um time de ponta formado por pessoas apaixonadas pelo que fazem”.

Sobre gestão dos negócios, ressaltou que a grande bandeira de toda empresa deve ser a excelência em execução. A falta dela é, inclusive, o que o faz perder o sono: “Quando nos propomos a fazer algo, temos que fazer com eficiência e intensidade para que o resultado seja sempre o melhor. Isto vale para todo mundo, para cada pessoa, não apenas para empresas”. Questionado pelo mediador da palestra, o presidente da ADVB/RS Telmo Costa, sobre um conselho para os novos executivos, Melzer reforçou a importância da crença no planejamento e na paixão verdadeira pelo trabalho como os elementos fundamentais para o sucesso.


Legado

O Grupo RBS tem 6,5 mil funcionários e, em 56 anos de história, tornou-se uma das maiores companhias de mídia do Brasil. É, como chama Melzer, “uma empresa familiar profissional”. Sobre sua relação e parentesco com o tio, Nelson Sirotsky, de quem recebeu a presidência executiva do Grupo RBS, foi taxativo: “É um privilégio, uma vantagem competitiva muito grande tê-lo sempre por perto”. O respeito ao legado dos mais velhos, ainda que mantendo seu próprio estilo de comandar, vem desde, pelo menos, os 19 anos. “Foi quando aprendi a valorizar as pessoas mais experientes do que eu”. E acrescentou: “Não somos super-heróis, não conseguimos fazer tudo sozinhos, é o maior erro pensar isso”.

 

Cultura empresarial e o Rio Grande do Sim

Eduardo Sirotsky Melzer tem 40 anos e sempre valorizou sua condição: “Sou gaúcho no Rio Grande do Sul, em São Paulo, em Nova Iorque. Esta identificação cultural é a mesma que o Grupo RBS tem e que as empresas que querem se diferenciar tem que ter”. Segundo ele, as fronteiras geográficas, hoje, não existem para empresas como a RBS, mas os valores e crenças da instituição têm que se perpetuarem qualquer que seja o local de abrangência do negócio. E alertou: “Não adianta ser um baita executivo se não estiver alinhado com os valores da empresa, se não tiver aquele brilho no olho”.

Nesse contexto, Duda lembrou o movimento encabeçado pela ADVB e apoiado pelo Grupo RBS, o “Rio Grande do Sim”, que pretende mudar a atitude das pessoas e das organizações a favor do desenvolvimento coletivo do Rio Grande do Sul. Considera esse um caminho importante para o retorno do estado ao protagonismo econômico e social.

 

Adaptação e corrida

Capacidade de transformação é, para Melzer, a chave para uma empresa sobreviver à revolução tecnológica atual. “Oportunidades fantásticas são geradas e é preciso acompanhar a essas mudanças”, alertou. O Grupo RBS tem ampliado seu mercado de atuação nos últimos anos com a criação da holding de investimentos digital e.Brics e a participação na HSM Educação, voltada para a formação de executivos.

Grande parte do tempo é dedicada para o cargo, mas Duda não abre mão de correr diariamente e fazer análise: “Assim posso refletir sobre tudo numa outra dimensão”. Casado e pai de três filhos, Eduardo busca aproveitar ao máximo os períodos que está em família. “O trabalho acaba tomando a maior parte do tempo, mas minha família sabe a importância que ele tem. É o nosso projeto de vida”, destaca.

 

 

Últimas Notícias:

Veja todas as notícias